18 de agosto de 2022 - SOCIEDADE DE CARDIOLOGIA DO ESTADO DE SÃO PAULO
COMPARTILHE:                          COMPARTILHE:

SOCESP apoia documento da SBC sobre a Losartana

SOCESP apoia documento da SBC sobre a Losartana.
Confira a íntegra doposicionamento oficial:

 

 A Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC)manifesta-se frente à determinação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária(ANVISA) do dia 23 de Junho de 2022 promovendo a interdição e recolhimento delotes de medicamentos contendo o princípio ativo Losartana. A medida preventivafoi tomada devido à presença da impureza “azido”, que tem potencial mutagênico,em concentração considerada acima do limite de segurança aceitável.

 

A SBC participou dereuniões a convite do Ministério da Saúde e da ANVISA nas quais foi informadada decisão de recolhimento de lotes do medicamento Losartana e compartilhou apreocupação com a segurança para o uso do medicamento e os riscos da potencialinterrupção do tratamento pelos pacientes. Destacamos que as medidasregulatórias de farmacovigilância e operacionais, de compra e distribuição demedicamentos, são responsabilidade do Ministério da Saúde, estados, municípiose ANVISA. Contudo, a SBC, no escopo de suas missões, colocou- se à disposiçãopara colaborar, informando médicos e sociedade, garantindo a segurança dospacientes.

 

A SBC apoia asseguintes recomendações:

1- Os pacientes que fazem uso da losartana devem continuar utilizando o seumedicamento;

2- Os pacientes que estão fazendo uso de um dos lotes interditados devem seguiras recomendações da ANVISA para troca;

3- Em caso de dúvida ou necessidade de orientação, procurar atendimento médico.

 

A posição atual daSBC, sempre pautada nas evidências científicas e com base nas informaçõesdivulgadas até o momento, é de não haver fatos ou evidências que recomendem amodificação da estratégia terapêutica no que tange aos medicamentospertencentes a essa classe farmacológica, mas ressalta que os lotes mencionadosem comunicado da ANVISA devem ser substituídos e que alterações na estratégiade tratamento devem ser feitas pelo médico assistente, sempre respeitando obinômio risco-benefício.

BUSCA EM NOTÍCIAS




Siga-nos