21 de setembro de 2019 - SOCIEDADE DE CARDIOLOGIA DO ESTADO DE SÃO PAULO
COMPARTILHE:                          COMPARTILHE:

Os dados alertam: 135 barbeiros foram localizados em municípios da Grande São Paulo nos últimos cinco anos. O inseto é o principal transmissor do protozoário causador da Doença de Chagas, infecção que pode causar insuficiência cardíaca congestiva. Dos capturados, 30,8% estavam infectados pelo Trypanosoma cruzi. Apesar disso, segundo o Ministério da Saúde, o Estado de São Paulo registrou apenas um caso de pessoa com doença em 2016 e dois em 2017. É um número baixo (para se ter uma noção, no Pará os números foram de 20 e 320 infectados por ano, respectivamente). Porém, é preciso de atenção para número não aumentar.

As informações sobre a captura de barbeiros são da Superintendência de Controle de Endemias, da Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo. “É, no mínimo, preocupante notar esta quantidade de insetos. A doença de Chagas é muito perigosa, já que atinge diretamente o sistema cardiovascular. Uma estimativa da OMS mostra que um a cada três pacientes infectados morre por insuficiência cardíaca”, explica o Dr. José Francisco Kerr Saraiva, presidente da Sociedade de Cardiologia do Estado de São Paulo (Socesp).

Em 2006, o Brasil foi certificado pela Organização Mundial da Saúde (OMS) por ter eliminado o barbeiro Triatoma infestans, que é o principal transmissor da doença. No entanto, atualmente a espécie mais preocupante é a Panstrogylus megistus, que vive tanto em espaços rurais quanto urbanos. Estima-se que entre 1,2 milhão e 4,6 milhões de pessoas tenham Chagas de forma crônica no Brasil, o que causa 6 mil mortes por ano. Em São Paulo, a taxa de mortalidade pela doença é de 2,19 pessoas a cada 100 mil habitantes, segundo o Sistema de Informação de Mortalidade (SIM).

A doença tem uma fase aguda, que pode ser sintomática ou não, e uma crônica, que se manifesta de forma indeterminada, cardíaca, digestiva ou cardiodigestiva, e a transmissão ocorre de forma vetorial (contato com fezes de barbeiro, após picada/repasto), oral (ingestão de alimentos contaminados), vertical (passagem do parasita de mulheres grávidas para bebês), por transfusão de sangue ou acidental (contato de pele ferida com material contaminado).

“Os primeiros sintomas são febre prolongada, ou seja, maior do que sete dias, fraqueza intensa e inchaço no rosto e nas pernas”, diz o Dr. Saraiva. Na fase crônica, ocorrem os problemas cardíacos e digestivos. “O parasita altera os batimentos cardíacos, gerando arritmias e taquicardias. Depois de alguns anos, ele inicia um processo de inflamatório no músculo cardíaco, o que resulta na dilatação do coração. Isso aumenta as chances de insuficiência cardíaca”, afirma o especialista.

Para prevenir que a Doença de Chagas volte a assombrar o Brasil, a forma mais efetiva de combate é evitar a transmissão, como nos casos de dengue, zika e chikungunya, por exemplo. O controle da infestação de barbeiro é essencial, por meio de campanhas com inseticidas utilizados pelo poder público, e uso de repelente por parte da população. Além disso, instalar telas protetoras em portas e janelas também pode ajudar, já que o barbeiro é atraído pela luz e pode entrar nas casas por estas aberturas. Manter a residência limpa e bem arejada também são etapas fundamentais, pois o inseto gosta de locais escuros e sujos.

Recomenda-se, ao encontrar um inseto deste tipo, não esmagar, apertar, bater ou danificar; proteger a mão com luva ou saco plástico; acondicioná-lo em recipiente plástico, com tampa rosca, preferencialmente vivo; ligar na Secretaria de Estado da Saúde e solicitar auxílio, como informações de onde levar o exemplar.

Sobre a SOCESP

A Socesp - Sociedade de Cardiologia do Estado de São Paulo é uma entidade sem fins lucrativos, fundada em 1976. Regional da Sociedade Brasileira de Cardiologia e Departamento de Cardiologia da Associação Paulista de Medicina, conta com cerca de 8 mil sócios. Os principais objetivos da Socesp são contribuir para a atualização dos cardiologistas do estado e difundir o conhecimento científico gerado pela própria Socesp aos profissionais da saúde que atuam na Cardiologia e para a população.

Atendimento à Imprensa

Ricardo Viveiros & Associados – Oficina de Comunicação

Lívia Velasco – livia.velasco@viveiros.com.br 

Raphael Pozzi - raphael.pozzi@viveiros.com.br

Telefone: (11) 3675-5444

Site: www.viveiros.com.br

Editoria: www.biografiaempresarial.com.br

Twitter: www.twitter.com/RVComunicacao

Facebook: facebook.com/RicardoViveirosComunicacao

BUSCA NO SITE

Acesso restrito

Siga-nos

Últimas notícias