14 de julho de 2020 - SOCIEDADE DE CARDIOLOGIA DO ESTADO DE SÃO PAULO
COMPARTILHE:                          COMPARTILHE:


LAR, SEGURO E DOCE LAR

Os pacientes com insuficiência cardíaca vivenciam muitas vezes experiências angustiantes que causam medo, insegurança e incertezas durante a progressão da doença ao longo dos anos. A cada episódio de cansaços, falta de ar e inchaços pelo corpo é seguido de uma internação hospitalar prolongada, com impactos físicos e psicológicos sobre a vida.

Hoje, estamos em um momento delicado pela presença do Coronavírus. Este vírus causa infecções respiratórias, que pode variar de um resfriado comum até uma pneumonia severa, principalmente em grupos de risco como crianças, idosos e portadores de doenças crônicas como diabetes e cardiopatias.

De modo que, além da constante transição do estilo de vida imposta pela insuficiência cardíaca, os cuidados devem se intensificar pela presença iminente do Coronavírus. Pode elevar a dependência nas atividades diárias, no aumento da frequência de sintomas não controlados, piora da qualidade de vida e presença de sentimentos negativos e depressão.

Frente a essa situação, a enfermagem pode contribuir com algumas recomendações aos pacientes cardíacos que estão sob a assistência paliativa e que se encontram em seus domicílios.

Cuidados Gerais:

 Higienizar as mãos com água e sabão ou solução alcoólica com mais frequência antes e depois de prestarem cuidados ao doente/paciente;

 Higienizar as mãos com água e sabão ou solução alcoólica com mais frequência do doente/paciente;

 Usar luvas descartáveis e evitar o contato direto com fluidos corporais (oral, secreções respiratórias e fezes);

 Realizar higiene oral com maior frequência;

 Manter o doente/paciente em quarto individual, caso não seja possível manter uma distancia de pelo menos 01 (um) metro de pessoas com sintomas de gripe/resfriado;

 Evitar visitas e limitar o número de cuidadores;

 Manter o ambiente domiciliar arejado, preferencialmente manter as janelas abertas;

 Limpar e desinfetar objetos e superfícies tocados com frequência (móveis, controle remoto, telefones / celulares);

 Limpar e desinfetar as superfícies do banheiro pelo menos uma vez por dia com desinfetante comum;

 Não compartilhar materiais de uso pessoal e utensílios (toalhas, roupas de cama, sabonetes, escovas de dente)

 Talheres e pratos devem ser limpos com água e detergente comum após o uso e podem ser reutilizados;

 Higienizar bem as frutas, verduras e legumes;

 Trocar com maior frequência as toalhas de banho e de mão;

 Evitar sacudir roupas sujas, roupas de cama, toalhas de banho e de mão e devem ser lavadas com agua e sabão comum;

Para ficar atento:

 Se ganhou peso em um curto período de tempo e se reduziu a quantidade de urina nas 24 horas;

 Sinais e sintomas respiratórios como presença de tosses e catarros, dor de garganta, coriza, falta de ar, dificuldade para respirar, lábios e dedos arroxeados, sonolência ou confusão mental;

 Febre persistente (>37,8C);

 Converse com a equipe de Cuidados Paliativos antes de encaminhar-se ao pronto-socorro / pronto atendimento para discutir controle de sintomas e cuidados para melhorar o conforto do paciente;

Cuidados diferenciais:

 Manter o doente/paciente com cabeceira elevada com auxilio de travesseiros (para melhor conforto respiratório);

 Ofereça uma dieta equilibrada e saudável, mas respeite as vontades do doente /paciente (estimule o prazer pelo sabor);

 Apoie nas crenças religiosas, se houver (isso traz o conforto espiritual);

 Utilizar recursos de multimídias (TV, rádio, celular, tablets, computadores) para resgaste de alguns costumes como assistir missas, cultos religiosos, de acordo com a preferência do doente/paciente.

 Mantenha a pele sempre hidratada e não deixe o doente/paciente na mesma posição por mais de duas horas (isso evita a formação de feridas);

 Realize atividades lúdicas com o doente/paciente (reveja álbuns de fotografias, escutem músicas, relembrem sobre momentos de alegrias ou simplesmente só conversem);

 Discuta com o médico da equipe de Cuidados Paliativos os medicamentos que façam aliviar os sintomas (náuseas, vômitos, queixas de dor, insônia)

Cuidador / Familiar: Cuide-se Também!

 Pratique exercícios e se alimentar de forma equilibrada e saudável;

 Faça atividades que goste e que sinta prazer, como escutar músicas, leitura de livro, estudar temas de seu interesse, assistir series de TV ou filmes;

 Tente estabelecer dentro das possibilidades uma rotina de atividades para o autocuidado, ocupe e relaxe a sua mente;

 É normal se sentir com medo ou ansiedade pelo processo de doença e morte, converse com alguém ou procure um profissional da equipe de cuidados paliativos.

A presença do Cuidado Paliativo no domicílio proporciona ao doente/paciente maior tempo de convívio com seus familiares, além de diminuir reinternações e tempo de permanência no hospital, tende a aumentar o enfrentamento frente ao processo de doença, morte e luto, dos pacientes e familiares.

ENFERMEIRA LUISA MURAKAMI

Psicóloga Milena David Narchi

Médica Maria Teresa C. Castillo

Referências:

-PROTOCOLO DE MANEJO CLÍNICO DO CORONAVÍRUS (COVID-19) NA ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE| Versão 5 Brasília – DF Março de 2020Secretaria de Atenção Primária à Saúde (SAPS) - https://www.unasus.gov.br/especial/covid19/pdf/37

-Protocolo clínico de cuidados paliativos em cardiologia / Instituto Nacional de Cardiologia. – Rio de Janeiro: INC, 2018. 2018 Instituto Nacional de Cardiologia / Ministério da Saúde

-Almeida, PF; Barbosa, MGA; Santos,SM; Silva, EI; Lins, SRO. A relationship between the nurse and the patient in oncological purals. DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv3n2-011

-Terra,IB; Pereira,BC; Andrade, MBT; Goyatá, SLT; Dázio,EMD; Resck, ZMR. Assistência multiprofissional no domicílio às pessoas em cuidados paliativos e familiares. https://doi.org/10.33233/eb.v19i1.2860

BUSCA NO SITE

Acesso restrito

Siga-nos

Últimas notícias