10 de dezembro de 2018 - SOCIEDADE DE CARDIOLOGIA DO ESTADO DE SÃO PAULO
COMPARTILHE:                          COMPARTILHE:

Bom senso e uso consciente da tecnologia podem ajudar na redução de riscos cardíacos

O aplicativo ECG, incluído na nova versão do Apple Watch, que acaba de ser lançado, precisa ser utilizado com bom senso e consciência de que não substitui avaliações médicas, alerta a Socesp (Sociedade de Cardiologia do Estado de São Paulo). "É positivo o fato de a tecnologia emitir o eletrocardiograma do usuário, por meio de um sensor de frequência cardíaca. Porém, se for indicada qualquer alteração, o cardiologista deve ser procurado de imediato", alerta o médico José Francisco Kerr Saraiva, presidente da entidade.

Também é interessante o fato de o sensor de batimentos cardíacos do relógio notificar alterações imprevistas da velocidade e do ritmo das batidas do coração. Quando isso ocorrer, o usuário deve procurar o médico o mais rapidamente possível. "Esta função é particularmente importante quando a pessoa estiver praticando exercícios físicos, ocasião em que pode ocorrer com mais frequência alterações cardíacas", explica Dr. Saraiva.

O presidente da Socesp lembra que esse novo aplicativo, assim como toda a tecnologia na área da saúde, identifica alterações e indica evidências. Entretanto, não faz a análise e avaliação de resultados. O eletrocardiograma, que já existe há muito tempo, oferece subsídios para a avaliação clínica do paciente. "É importante que a tecnologia tenha possibilitado que se realize num simples relógio, levando o indivíduo a procurar um médico em situações nas quais ele talvez não tivesse a percepção do problema e deixasse de buscar ajuda profissional. Porém, é preciso deixar muito claro que a avaliação clínica continua indispensável"

BUSCA EM NOTÍCIAS




Siga-nos